QUANDO TEVE A IDEIA DE INVENTAR A COR DA PAIXÃO, DEUS INVENTOU O VERMELHO E, COM ESSA COR, PINTOU NOSSOS CORAÇÕES... (da amiga e colorada Rosane)

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

GOIANA, MAS COM ALMA GAÚCHA...


Gente, não poderia deixar de postar o belíssimo texto escrito pela amiga colorada de Brasília, Cristiane Leporace. Ela é goiana, mas seu coração é gaúcho. Confiram ai:


"Quando estamos em Goiânia, por incrível que possa parecer, temos automaticamente passagem linguística para o goianês-mineirístico. "Comiéquisitá" , quem quiser que decifre o que eu acabei de dizer, senão ficará muito fácil. Katy, sabedora de minhas paixões gaudérias, sabe bem que, por mais goiana que eu seja, de goiana, como eu bem disse para meus amigos, eu só herdei a beleza e claro... a modéstia! Mas do Rio Grande do Sul, segundo já me contaram, parecem que incorporo uma prenda e do nada até o meu sotaque muda, mas a beleza continua. Não que no resto do Brasil, não tenham mulheres belíssimas, sim, claro que tem. Mas o Centro Cultural Masculino Brasiliense, grande medidor do saber de mulheres bonitas por metro quadrado aqui, disseram-me que " Goiânia, ô lugar bom pra mais de metro pra ter mulher bonita e acessível".
Minhas amigas de Brasilia, certamente, vão me matar, mas as brasilienses são consideradas mulheres marrentas. Ainda bem que eu escapei desta, deve ser porque eu tenho alma absolutamente gaúcha. Tanto tenho que, minha amiga Gisela, de educação germânica e gaúcha de nascimento, me disse via msn que sou mais gaúcha do que ela. Então, eu estava aqui campiando um jeito de interter-me, e lembrei que em dezembro eu vou dar uma vortiada em Porto Alegre, pensando nos amigos que tenho lá, na baita farra que será estar com cada um deles.
Tanto é verdade, que eu gosto de Kleiton & Kledir, amei a série A Casa das Sete Mulheres e li todos os livros de Érico Veríssimo. E não estou ingrupindo, o amor é genuíno e pareço ter um ímã natural para este lugar e suas tradições, tão bonitas e tão cheias de se não um laço forte, intica em mim, aprender cada vez mais, a luz das coisas engraçadas que ouço, dos encontros que já tive, do mais recente momento que venho passando, das idas com a turma do Colorado, para juntos assistirmos aos jogos, é piada que não acaba mais e chego a achar uma judiaria o que eles fazem com aqueles que invadem nosso lugar comum e são gremistas.
Adoro como eles falam bem alto indignados, "Capaz!" ou então "Bah, guria que função!" que para quem não conhece, parece uma bronca ou briga. O Sul, tem além de tudo o que há de melhor, a cerveja que até onde eu sei, me corrijam se eu estiver errada, que não é exportada, a POLAR, uma multipluralidade de regiões e colonizações e foi lá, que eu descobri a quase três anos atrás que eu estava grávida do meu filho Guilherme.
Sobre paixões Gaudérias, o ímã é tão forte, que eu amo ir uma vez por mês, no Costelão, ouço o programa Sala de Redação, da rádio gaúcha, adoro a Expochê, tradicional feira gaúcha que acontece aqui em Brasília, todos os anos. Este ano, bati o meu record, fui três vezes. E aonde quer que eu vá, principalmente vestida com a segunda pele, minha linda blusa dourada do Inter , tem sempre um colorado que me cumprimenta e um gremista que me diz eu torço pro time errado, fazer o que não é?
Em comum com o gauchês, tão peculiar e tão criativo, tenho como goiana de nascimento, a única palavra que é sinalêra, sem graça até, perto da palavra que só é bem comum lá no sul, que é brigadiano e uma expressão recém aprendida, numa conversa com um amigo: "bater cola" = passear toda feliz ou faceira".
E foi com os gaúchos que aprendi a fazer o melhor carreteiro que eu já fiz desde um tempo e tão bem aplicado no almoço em Goiânia na casa das primas no fim de semana, que não deu para quem quis. Sobre paixões gaudérias, me lembrei do quão eles sabem cuidar bem de suas prendas e de todas as outras também, mas o que é mais inacreditável, é que fico admirada por tantas coisas que são bem típicas dos gaúchos. Então katy, quero te dizer que não é apenas paixão, é amor mesmo, um amor que eu só vou parar de ter como bem diz a música nova do kleiton & Kledir, eu só vou parar quando a brigada, me der voz de prisão."

Um comentário:

Márcia disse...

Cris,como tu és uma mulher colorada tomarei a liberdade de carinhosamente te chamar assim,quero te dizer que gaúcho e colorado,não é apenas quem nasce no nosso pago gaúcho.Tu me encantou com essa declaração de amor explícita que tens pelo nosso colorado e pelo Rio Grande.Por isso podes te considerar uma legítima gaúcha de quatro costados como dizemos aqui.É um orgulho para nós, sabermos que alguém que está tão longe,entende,respeita e cultua os nossos valores e curte nossas músicas, nossa literatura e também a nossa história.Guria,um abraço quebra costela bem gaudério do tamanho do Rio Grande pra ti e que o nosso Patrão Velho lá de cima(Deus)te ilumine e proteja sempre a ti e a tua família.Um beijão e Saudações coloradas!!!